segunda-feira, 26 de setembro de 2016

Sem pé nem cabeça

Queria voltar aqui após tanto tempo e escrever linhas otimistas, alegres e que refletissem um incondicional amor pela vida.

Mas é como dizem "o homem planeja e Deus ri".

Não tenho nada além de uma reflexão amarga para compartilhar.

Qual o sentido de se viver numa sociedade em que você não se basta em si, mas que também não permite que você possa se apropriar de tudo que há de bom e sublime e honesto na vida em grupo sem que você seja apedrejado?

Como aceitar o fato de que é certo abrir mão do seu amor para aplacar o sofrimento que você lhe inflinje? Quem ama nesse nível?


Nenhum comentário: