quinta-feira, 15 de julho de 2010

O júbilo da espada


O júbilo! O júbilo da espada. Eu estava dançando de júbilo, a alegria fervilhando dentro de mim, o júbilo da batalha do qual Ragnar falava com tanta frequência, o júbilo do guerreiro. Se um homem não o conheceu, não é homem. Aquela não era uma batalha, não era uma carnificina propriamente dita, apenas uma matança de ladrões, mas foi minha primeira luta e os deuses tinham se movido dentro de mim, tinham dado velocidade ao meu braço e força ao escudo, e quando terminou, quando dancei no sangue dos mortos, soube que era bom. Soube que era mais do que bom. naquele momento poderia ter conquistado o mundo e meu único lamento era porque Ragnar não pôde ver, mas achei que ele poderia estar me olhando do Valhalla. Levantei Bafo de Serpente para as nuvens e gritei o nome dele. Já vi outros jovens saírem da primeira luta com o mesmo júbilo e os enterrei depois da batalha seguinte. Os jovens são idiotas, e eu era jovem. Ma era bom.

O Último Reino (Crônicas Saxônicas - Livro I) - Bernard Cornwell

3 comentários:

Bia Ferreira disse...

isso é um jogo, tu sonhou, tá chapadão ou o que????? rsss

Madruguis disse...

Eu ja li isso... aushuashuahs

Quem não sabe o que é acha que vc ta chapado...

Muito boa a série... e ta pra sair o sexto livro! =D

Will disse...

Putz, aguardando ansiosamente o próximo livro da saga!